Cachoeira do Sul/RS
Telefone: (51) 3724-4368 | (51) 3724-4378
WhatsApp: (51) 9-9745-8687
Comercial: comercial@portalanoticia.com.br
Redação: redacao@
portalanoticia.com.br
Administrativo: administrativo@
portalanoticia.com.br
/JORNALAN

© 2019 - Direitos reservados - Jornal A Notícia - Magaiver Dias

Matheus Calderaro

14/06/2019

Empréstimo pessoal e o pagamento consignado

 

A taxa de juros para um empréstimo pessoal com pagamento por desconto diretamente da folha de pagamento de servidores públicos, aposentados ou pensionistas deve, obrigatoriamente, por força de determinação do Banco Central do Brasil, ser a mais baixa dentre as modalidades de empréstimo pessoal, por tratar-se de operação bastante segura para o credor, uma vez que o cliente não tem a opção de ficar inadimplente, dando ao credor a certeza do ressarcimento.

 

No entanto, apesar da limitação legal, as financeiras costumeiramente extrapolam muito os patamares aceitáveis, quando falamos na taxa de juros utilizada na elaboração dos contratos de empréstimo com estes três tipos de clientes.

 

Para dar um exemplo do que acontece na prática, a taxa média de juros para um contrato de empréstimo para um servidor público, que tenha sido assinado em abril deste ano, segundo o Banco Central, deveria ser de 21,24% ao ano. Como o judiciário gaúcho entende que até 30% acima disto ainda não há abusividade, este contrato poderia ter uma taxa de juros em torno de 50% anuais, que estaria dentro do tolerável.

 

Porém, como a ganância sempre fala mais alto, os bancos e financeiras chegam a utilizar de taxas próximas a 100% anuais. Em números, significa que se um servidor público fizer um empréstimo no valor de R$ 5.000,00 para pagamento em 72 parcelas, o valor de cada uma não deveria ser maior do que R$ 117,46 (cento e dezessete reais, quarenta e seis centavos), o que totalizaria um pouco mais de R$ 8.400,00 (oito mil e quatrocentos reais). Só que na realidade, esse empréstimo chega a atingir 72 parcelas no valor de R$ 300,00 (trezentos) reais, totalizando em torno de R$ 21.500,00 (vinte e um mil e quinhentos reais), acima de quatro vezes mais do que o valor emprestado.  

 

Em virtude dessas irregularidades, o melhor a fazer é sempre ler com muita atenção o contrato antes de assiná-lo, para depois não ter de correr atrás do prejuízo.

 

Um ótimo final de semana a todos.

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

1/2
Please reload