R Saldanha Marinho 1365 - Centro - Cachoeira do Sul/RS
Telefone: (51) 3724-4368 | (51) 3724-4378
WhatsApp: (51) 9-9908-6864
Comercial: comercial@portalanoticia.com.br
Redação: redacao@
portalanoticia.com.br
Administrativo: admministrativo@@
portalanoticia.com.br
/JORNALAN

© 2019 - Direitos reservados - Jornal A Notícia - Magaiver Dias

TU NÃO SABE O QUE É ISSO

31/08/2017

Hoje parei um pouco pra ler esse texto maravilhoso e resolvi compartilhar com vocês. 

 

 

TU NÃO SABE O QUE É ISSO

 

Eu estou me tornando uma colecionadora
de decepções, pois parece que 
as pessoas nunca querem ficar
na tua vida. Elas chegam,
fazem você se sentir especial
e "única", e depois desaparecem
de uma hora para outra. 
Deixando para trás dores insuportáveis
em alguém que acreditou
que dessa vez seria diferente,
que dessa vez duraria, pois fazia sentido
que durasse. Mas não. 
Só restou uma devastação.

E o pior é que essas pessoas não
têm uma proporção de
quantos coração são arruinados
 por conta de suas 
chegadas e suas idas repentinas. 

Caramba, se tu não tá em um bom
momento da tua vida, não invente de se 
apaixonar e nem de fazer com que outra pessoa
se apaixone por ti. O quão difícil é
se guardar para um momento apropriado
em que você poderá se entregar e ser você mesmo?

A culpa não é da minha reciprocidade 
exagerada. Uma vez que você se
preocupa com alguém, ele governa você. 
E eu me preocupo com quem amo,
eu gosto de estar junto, de dividir cargas,
de receber ligações no meio da madrugada,
e sim, ouvir desabafos dramáticos, por que não?
Eu acredito que uma relação funciona desse jeito.
Onde um sabe que pode reter o caos do outro,
sem se manchar ou se destruir.

Tu sabe o que é isso? Não. Tu não sabe o que é isso.
Cansei das pessoas jogarem suas 
inseguranças em mim. Cansei de amar pessoas
despovoadas, e já chega de ser sempre
aquela que mantém o relacionamento intacto,
por ser sempre aquela (e única) que se importa.
Afinal, você ama aquilo que você pode perder. 

Uma pequena mudança não dói.
Cansei de ser um porto.
Agora quero ser um barco a deriva. 
E sozinha, ser a minha própria companhia.

Até aprender a lidar com a 
superficialidade dos homens. 

 

Escrito por Emanuel Hallef 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

1/2
Please reload